Ce em Destaque
José Hilson Paiva

Defesa pede anulação de decisão que afastou prefeito de Uruburetama

Para a defesa, não há "qualquer previsão no Regimento Interno da Câmara para o afastamento temporário do prefeito".

25/07/2019 09h18
Por: Redação Ceará em Destaque
Fonte: Do G1 CE

A defesa do médico e prefeito afastado de Uruburetama, José Hilson Paiva, investigado por abuso sexual e por filmar pacientes durante consultas médicas ginecológicas, quer anular a decisão de afastamento de José Hilson da prefeitura do município. A defesa entrou com pedido na Justiça nesta terça-feira (23) e alega que a sessão da Câmara Municipal que afastou o gestor do cargo ocorreu por "interesse político".

Segundo documento encaminhado à Vara Única da Comarca de Uruburetama, com mandado de segurança com pedido de liminar, os advogados do médico defendem que o afastamento do então prefeito foi ilegal e, por isso, pedem que a Justiça decrete a "nulidade da sessão e do Decreto Municipal nº 002/2019 pelo fato de as denúncias serem relativas à vida particular do impetrante, não havendo qualquer amparo legal o seu julgamento pela Câmara, sobretudo por supostos atos ocorridos antes de seu mandato".

Para a defesa, não há "qualquer previsão no Regimento Interno da Câmara para o afastamento temporário do prefeito".

Os advogados apontam, ainda, que há "o cristalino interesse político por trás da suspensão, tendo em vista o horário totalmente atípico do funcionamento da Câmara para receber a denúncia, bem como para realizar o julgamento".

O mandado de segurança cita que a presidente da Câmara Municipal de Uruburetama, Maria Stela Gomes Rocha, convocou "arbitraria e indevidamente" a sessão extraordinária durante período de recesso, em dia e horário não previstos no Regimento Interno da casa.

"O que ocorreu foi que a Câmara se utilizou de uma sessão extraordinária, que sequer deveria ocorrer, tendo em vista a impossibilidade de pedido oral para afastamento. A partir daí temos mais uma séria de erros no procedimento adotado pela presidente da Câmara e demais Vereadores", acrescentou a defesa.

Relembre o caso

O médico é investigado após divulgação de vídeos dele com pacientes durante consultas ginecológicas, em Uruburetama e Cruz, município vizinho. Há duas semanas o programa Fantástico, da TV Globo. teve acesso a 63 vídeos, gravados pelo próprio médico sem consentimento das mulheres. Profissionais da Associação Brasileira de Medicina avaliaram o conteúdo e afirmam que se trata "claramente" de "estupro de pacientes".

O médico e prefeito afastado foi expulso do PCdoB, sigla da qual fazia parte, e teve o direito de exercer a medicina suspenso por seis meses por decisão do Conselho Regional de Medicina do Ceará.

A sessão que afastou o prefeito ocorreu em 15 de julho, durante período de recesso da casa legislativa. Nove dos 11 vereadores compareceram e todos os presentes votaram pelo afastamento.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.